História da Assembleia de Deus em Paranaguá Paraná

Publicado em 22/03/2014 às 11:11H. Atualizado há 3 meses.


A história da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Paranaguá, Pr, está marcada de fatos sobrenaturais, acontecimentos que evidenciaram a presença do Espírito Santo.

A mensagem pentecostal chegou a esta cidade lá pelos idos de 1931, quando para aqui se mudaram, vindos de Pernambuco, os valorosos servos de Deus Bernardo Vicente, sua esposa Maria Alves Vicente, Manoel Jerônimo e sua esposa irmã Júlia, que inflamados pelo poder do Espírito Santo, semearam a semente do evangelho e com orações e lágrimas, e o Senhor deu o crescimento.

 

As Primeiras Reuniões na Rua Princesa Izabel

As primeiras reuniões foram realizadas em um salão alugado à Rua Princesa Izabel, atrás da Estação Ferroviária. Os primeiros novos convertidos foram: Florantes Antonio da Veiga, Sofia Veiga, Benedita Mendes, José Lopes, Ataliba de Paula e Maria das Dores Mendes (irmã Doca).

Já nos primeiros meses, a Igreja era composta de nove fervorosos irmãos, que, não olhando as dificuldades, anunciavam com ousadia a Palavra de Deus. O primeiro batismo foi realizado pelo Pastor Bruno Skolimowski, no local denominado Costeira, quando treze novos soldados de Cristo desceram às águas batismais. Com estes batizados, o número de membros da recém-formada Igreja subiu para treze.

Devido ao rápido crescimento o Pastor Bruno, que presidia o campo de Curitiba, passou a supervisionar o trabalho nesta cidade, ministrando a Santa Ceia e orando pelos enfermos, dava assim toda a cobertura pastoral.

 

Transferência para a Rua Júlia da Costa

O salão de cultos da Rua Princesa Izabel tornou-se pequeno com o crescimento da obra, tendo sido transferido para a Rua Júlia da Costa, próximo a Praça da Paz, nas proximidades do Cemitério Municipal, bairro Bambuzal.

Agora, já contando com cem membros arrolados, a Igreja seguia vitoriosamente a marcha da fé, dirigida pelo irmão Florantes Antonio da Veiga. O irmão Bernardo Vicente, com verdadeiro espírito missionário, deslocou-se para Guaraqueçaba, onde fundou um núcleo pioneiro da Assembléia de Deus. Posteriormente regressou para seu estado natal, Pernambuco e outro pioneiro irmão Manoel Jerônimo, mudou-se para Antonina.

 

Primeiro Pastor consagrado ao Ministério

Com o progresso contínuo do trabalho, as responsabilidades do irmão Florantes também aumentaram. Foi este separado ao diaconato, depois a evangelista e finalmente o Pastor Agenor Alves de Oliveira o separou ao pastorado.

O salão de cultos da Praça da Paz já estava pequeno e em reuniões foi decidida a construção de um templo próprio, saindo assim do aluguel. Era uma época de muitas dificuldades, mas o Senhor sempre esteve presente.

 

Nova sede própria inaugurada na Rua Manoel Pereira

A construção do santuário foi sem dúvida, uma obra de fé. O empenho da Igreja na obra foi total. Muitas irmãs que trabalhavam na escolha do café, contribuíram com o provento desse trabalho para a compra de material de construção. Os irmãos, além da contribuição financeira ajudavam na mão de obra.

Em 11 de dezembro de 1947, após muita fé, trabalho e lágrimas a Igreja viu seus esforços coroados com a inauguração do novo templo sede, a rua Manoel Pereira, 762, contando com a cooperação da Banda de Música Lyra Pentecostal.

Somente em 11 de março de 1953 a Igreja tornou-se personalidade jurídica, quando então foi eleita a primeira Diretoria e aprovado o primeiro estatuto, ficando assim constituída;

 

Primeira Diretoria Constituída

Presidente: Pr. Florantes Antonio da Veiga Vice-Presidente: Lauro Antonio da Veiga 1º Secretário: Miguel Lopes da Silva 2º Secretário: Antonio Calado da Silva 1º Tesoureiro: Ataliba de Paula 2º Tesoureiro: Juventino Pedro

 

NOVOS PASTORES ASSUMEM A IGREJA

 

Jubilação do Pr. Florantes da Veiga

Durante 26 anos a Igreja esteve sob os cuidados pastorais do irmão Florantes da Veiga a quem tributamos o reconhecimento pelos seus esforços juntamente com a sua inesquecível esposa irmã Sofia da Veiga e sua digna família.

Em 31 de agosto de 1959, já com a saúde comprometida, recebeu sua jubilação ministerial, passando assim a Presidência da Igreja ao Pr. João Marcondes.

 

Pr. João Marcondes preside a Igreja

É bom salientar que a Igreja em Paranaguá já contava com congregações em Assungui, Tagaçaba, Alexandra, Itaperuçu, Rio Sagrado e Morretes. O ato de posse foi presidido pelo Pr. Agenor Alves de Oliveira, de Ponta Grossa e auxiliado pelo Pr. Carlos Mazza de Antonina.

A presidência da Igreja foi exercida pelo Pr. João Marcondes pelo período de 4 meses e seis dias, pois em janeiro de 1960 assumiu interinamente o Pr.Carlos Mazza, que presidia também a Igreja em Antonina.

Por esta razão o irmão Pedro Ferreira de Menezes veio para cooperar dando atendimento as Igrejas em Matinhos, Guaraqueçaba e dar cobertura ao trabalho em Paranaguá na ausência do Pr. Carlos Mazza.

 

Pr. Rafael Batista de Oliveira assume a Presidência

Em 26 de abril de 1960, por determinação da Convenção Estadual, assumiu a presidência o Pr. Rafael Batista de Oliveira, vindo da cidade de Irati/Pr. Com a posse do novo Pastor a Diretoria executiva ficou assim constituída:

Presidente: Pr. Rafael Batista de Oliveira Vice-Presidente: Ev. Amaro Selvo do Nascimento 1º Secretário: Miguel Lopes da Silva 2º Secretário: Augustinho Martins 1º Tesoureiro: Manoel Celeste de Souza 2º Tesoureiro: José Alves

 

EXPANSÃO DE CONGREGAÇÕES

 

Novas Congregações no litoral são abertas

Em reunião Convencional realizada no dia 30 de junho de 1961, em Matinhos, ficou incorporado ao ministério de Paranaguá as Igreja de Guaraqueçaba, Matinhos e as congregações de Morato, Batuva e Guaratuba. Foi designado para atender o campo de Guaraqueçaba o irmão José Manoel Sobral. A Igreja ainda contava com a bravura de dois evangelistas, que auxiliavam no atendimento das Congregações da área rural, Ev. Domingos Vicente e o irmão Sabino Malaquias Cunha.

 

Novas Congregações são construídas

Durante a gestão do Pr. Rafael Batista de Oliveira aconteceram fatos relevantes como a construção do novo templo sede, inaugurado em 24 de janeiro de 1965, construção da Congregação de Morretes, Vila Guarani, Posto Fiscal, Ilha dos Valadares, Emboguaçu (antiga-mente denominado KM5), Costeira (Ilha Perdida), Eufrasina, Sambaqui, Rio Sagrado e Porto de Cima. Também em 30 de janeiro de 1966 foi fundado o Serviço de Assistência Social Bom Pastor, Banda Acordes de Jerusalém, Círculo de Oração e União da Mocidade.

 

Igrejas do litoral recebem autonomia

Com a autonomia das Congregações de Matinhos, Guaratuba, Morretes e Guara-queçaba, várias congregações passaram a pertencer aos novos campos de trabalho. O certo é que poucos obreiros na época se desdobravam para atender o vasto campo ministerial, através de trem, bicicleta, ônibus e barcos, obedecendo a escala feita semanalmente.

 

Pr. José Joaquim dos Santos assume a Igreja

O Pr. Rafael ocupou a presidência da Igreja até 04 de fevereiro de 1969, retornando a cidade de Irati, sendo substituído pelo Pr. José Joaquim dos Santos, que como Presidente da Convenção Estadual deu ao ministério local maior entrosamento com as Igrejas co-irmãs do Estado, tendo realizado em nossa cidade a Convenção Estadual na década de 70.

Em 8 de agosto de 1972 o Pr. José Joaquim dos Santos afastou-se da presidência da Igreja para realizar uma viagem missionária à Noruega, a convite do missionário Leif Andersen e atender o “Abrigo Esperança”, que estava em construção e passava por uma série de dificuldades. Atenderam interinamente a Igreja os Pastores Azarias de Antonio e Theodorico Ribeiro Batista (vice-presidente).

Após ter reassumido em 5 de dezembro de 1972, o Pr. José Joaquim dos Santos afastou-se novamente para continuar dando atendimento ao Abrigo Esperança, sendo convidado para atender interinamente o Ev. Narciso Ladislau da Silva, vindo de Bela Vista do Paraíso, atendeu o trabalho do Senhor até 25 de junho de 1974, data em que o Pr. José Joaquim dos Santos passou a presidência ao Pr. Onofre Frizzas, que à época atendia a Igreja em Curitiba como vice-presidente.

Neste período o novo Pastor, observando a necessidade da obra de Deus, indicou o Pb. Gabriel Rodrigues dos Santos ao ministério pastoral e elevou o número de presbíteros de 19 para 38, separando ao diaconato vários novos obreiros. A maior parte da história aqui relatada nos foi repassada pelo Pr. Gabriel Rodrigues dos Santos, profundo conhecedor dos acontecimentos que marcaram épocas.

 

Pr. José Joaquim Ferreira assume a Presidência 1977

Em 20 de janeiro de 1977, por determinação convencional, o Pr. Onofre Frizzas passou a Presidência da Igreja ao Pr. José Joaquim Ferreira, procedente da cidade de Londrina, Pr, que acompanhado pelo seu filho, Ev. Mauro Ferreira (in memorian), promoveram grandes avanços na obra de Deus em nossa cidade, organizando congressos, conferências, cruzadas evangelísticas, simpósios, confraternizações de jovens, e do círculo de oração.

 

Nova Diretoria é constituída

Em 3 de abril de 1977 foi concedida autonomia a Igreja de Guaratuba que ficou sob a presidência do Pr. Iolando Maciel. Em 10 de março de 1983 (um dia antes da Igreja em Paranaguá completar seu cinqüentenário de fundação) o Pr. José Joaquim Ferreira passou a presidência para o Pr. Alci Vaz da Costa, vindo da cidade de Guarapuava. Por ocasião do Jubileu de Ouro, a Diretoria era assim constituída:

Presidente: Pr. Alci Vaz da Costa Vice-Presidente: Pb. Benedito Carlos de Oliveira 1º Secretário: Pb. Rodenil Alexandre 2º Secretário: Pb. Arlindo Godoy 1º Tesoureiro: Pr. Jurandir Pereira Gomes 2º Tesoureiro: Cp. Armando Machado

 

CRESCENDO NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO

 

Criação do Núcleo da EETAD

Além das comemorações do Jubileu de Ouro, vários outros fatos importantes foram realizados nesse período tais como: Apoio à formação teológica dos obreiros com a implantação do núcleo 22 da EETAD, tendo como coordenador o Pb. Emílio Felisbino Filho e como monitores os Pb. Jurandir Pereira Gomes e Antonio Donizete Romualdo.

A Igreja foi levada com muita responsabilidade ao estudo sistemático da Palavra de Deus, à oração e consagração, dando ênfase a operação do Espírito Santo.

 

Projeto de novo Templo é iniciado nas Casas Populares

Aproveitando o projeto existente de construir um novo templo sede nos terrenos adquiridos junto a Congregação das Casas Populares, o Pr. Alci Vaz da Costa com os projetos em mãos desenvolvidos pelo Engenheiro Dr. Adelson, lançou mãos a obra e numa data festiva o povo de Deus se reuniu para o lançamento da “pedra fundamental”, cerimônia esta presidida pelo Pr. José Pimentel de Carvalho, vindo da cidade de Curitiba, além de autoridades civis, militares e eclesiásticas.

Em pouco tempo os alicerces estavam prontos, com muito concreto e ferragens, que dependeram de investimentos financeiros e muito trabalho de profissionais e voluntários que se dispuseram a cooperar na obra de Deus. Em 30 de dezembro de 1984, Pr. Alci Vaz da Costa retornou a Guarapuava passando a presidência da Igreja ao Pr. Joel Alves Faria, vindo de Assis Chateaubriand.

 

Pr. Joel Farias assume a Igreja e dá continuidade à obra

Dando continuidade a construção com muita coragem e determinação, Pr. Joel, com apoio do ministério e do povo de Deus, puderam ver as paredes, primeiro piso, galeria e também paredes do segundo piso sendo respaldadas para receber a cobertura que seria mais um grande desafio.

Foi uma grande bênção em tão pouco tempo. Paralelamente, Pr. Joel propôs a venda da casa pastoral existente, visto que a mesma estava em péssimas condições de moradia. O negócio foi concretizado e a compra de uma nova propriedade foi realizada. Em 15 de setembro de 1987, o Pastor Joel Alves Faria, atendendo ao convite da Convenção Estadual, transferiu-se para a cidade de Maringá, a fim de atender o Departamento de Missões.

 

Pr. Rubens Soares da Silva conclui a Grande Obra

Com isso, na mesma data, foi apresentado pela Comissão designada pela Convenção e que era presidida pelo Pastor Elias Alves Moreira, o nome do Pastor Rubens Soares da Silva, vindo da cidade de Apucarana. Sendo assim, a Igreja estava com um novo Presidente.

Com muita humildade e determinação, o Pastor Rubens Soares da Silva reiniciou os trabalhos de construção, trazendo o seu genro Marcílio Rodrigues, e pouco tempo depois o irmão Antonio dos Santos (Antoninho) os quais acompanhando o ritmo de trabalho do Pastor Rubens, deram o impulso que a obra necessitava.

Atitude corajosa do Pastor Rubens foi propor a venda da Casa Pastoral, recém adquirida, a fim de adquirir uma pequena casa de madeira que existia ao lado da construção, negócio que foi fechado com sucesso.

O Pastor Rubens entrega a casa, improvisa a Casa Pastoral no porão da construção até que o Sr. Arnaldo mudasse da casa recém adquirida. Mesmo com muita dificuldade, não eram raras as oportunidades em que o Pastor Rubens era encontrado nos andaimes de construção, com seu chapéu de palha, vestido de servente, sempre com uma enxada na mão, dando exemplo de trabalho e dedicação.

 

Inauguração do Novo Templo na Conselheiro Correia

Mas com certeza, valeu todo o esforço, pois no dia vinte e sete de setembro de 1990, a Igreja pode reunir-se festivamente para inaugurar o novo templo-sede, agora localizado à rua Conselheiro Correia, 3171, no Jardim Eldorado.

Templo com estrutura para quatro andares, imponente, muito bem localizado, um verdadeiro cartão de visitas em nossa cidade. Foi uma festa maravilhosa, contando com a ilustre presença de diversas autoridades civis, militares e eclesiásticas, vindas de diversas cidades de nosso Estado e de Estados vizinhos.

Ao encerrar as festividades de inauguração, foram iniciadas as Reuniões Convencionais e para surpresa de todos o Pastor Rubens pede sua jubilação à Convenção e também solicita à Mesa Diretora o direito de indicar seu substituto.

 

Jubilação do Pr. Rubens Soares e posse do Pr. José Alves

Sem que ninguém soubesse, ele já havia entrado em contato com o pastor indicado, há mais de três meses, e ambos estavam orando a Deus pedindo a confirmação divina. Não havia como negar, pois, o Senhor estava no negócio. Sendo assim, ficou marcada a posse do Pastor José Alves da Silva para o dia 28 de dezembro de 1990, vindo também da cidade de Assis Chateaubriand.

 

EXPANSÃO DA IGREJA NACIONAL E INTERNACIONAL

 

Duas décadas e meia de vitórias

Duas décadas e meia já se passaram na presidência do Pr. José Alves da Silva e o que temos visto não podemos negar: construções de novos templos, reforma de todos os demais existentes em estilo moderno e funcional, progresso na área do ensino, fortalecimento do Serviço Social, apoio ao departamento de Círculo de Oração, Departamento Musical, Evangelismo, Missões, Secretaria e Tesouraria informatizados e vários obreiros integrados.

Um ministério unido com o seu pastor fazendo do campo ministerial de Paranaguá um referencial para outros ministérios com aproximadamente 8.000 membros em plena comunhão que adoram ao Senhor Deus nas 55 congregações dentro do município incluindo também ilhas e colônias.

 

Crescendo com a força do Espírito Santo

Possuindo como lema oficial: “Um lugar de Adoração em cada bairro da Cidade”, o campo Ministerial da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Paranaguá, conta hoje com 55 congregações dentro do município.

O corpo de obreiros é composto de 59 pastores, 55 evangelistas, 151 presbíteros, 106 diáconos e 128 cooperadores, que se reúnem mensalmente, em Assembleia Geral Ordinária, para receberem orientações pastorais e tratarem das questões administrativas do campo eclesiástico da Assembleia de Deus em Paranaguá PR.

 

Missões Nacionais e Internacionais

Além dos trabalhos locais, a Assembleia de Deus em Paranaguá possui extensões missionárias no Nordeste Brasileiro, Paraguai, Bolívia, Guiné Bissau e Índia.

 

Um Brado de Vitória

Em todos cultos, após a bênção pastoral, o povo de Deus brada dizendo: “Se Deus é por nós quem será contra nós? Ninguém!!!!”